Minas, Bahia e São Paulo concentram quase 30% das obras do PAC 2

8 de abril de 2014
Marina Dutra

image02De cada quatro empreendimentos realizados por meio do PAC 2, pelo menos um beneficia os estados de Minas Gerais, Bahia ou São Paulo. Juntas, as unidades da federação possuem 13.474 obras na lista da segunda edição do Programa.

Curiosamente, São Paulo e Minas ocupam o 1º e 3º lugar no ranking do maior PIB do país e a Bahia a 8ª posição, concentrando juntos 45% de todo o valor gerado pela economia brasileira.

Com exceção do Distrito federal, as unidades da federação que menos possuem obras no âmbito do PAC são também as que menos contribuem para o PIB. É o caso de Amapá e Roraima, que junto com o Distrito Federal somam apenas 725 empreendimentos. O valor representa 1% das 48.930 iniciativas estaduais previstas no Programa.

O total de empreendimentos nesses estados representa apenas 15% das iniciativas previstas para Minas Gerais, líder em número de ações na lista de investimentos do PAC 2. O estado possui 1.091 iniciativas “em obras”, 419 “concluídas” e 261 “em execução”.

Embora englobe 10% de todas as ações estaduais do Programa, 63% dos 4.738 empreendimentos em solo mineiro ainda estão “no papel”. Isso significa que 2.967 iniciativas encontram-se “em ação preparatória”, “em contratação”, “em licitação de obra” ou “em licitação de projeto”.

Exemplo de ação considerada emblemática que ainda está em licitação no estado é a de despoluição da Bacia do Rio Paraopeba, afluente do Rio São Francisco, na região metropolitana de Belo Horizonte. O empreendimento foi selecionado em janeiro de 2008 e só deve ser concluído no fim do ano.

Amapá

Para o Amapá, o menos favorecido entre os estados, o PAC 2 prevê 218 empreendimentos. Destes, 39 já foram concluídos, 14 encontram-se “em execução” (projetos e estudos já iniciados) e 85 em obras. Os 76 restantes ainda estão sem ordem de serviço.

A elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico do município de Santana e da capital Macapá destacam-se entre os empreendimentos no qual as obras ainda não começaram. A construção de 26 Unidades Básicas de Saúde e de uma Unidade de Pronto Atendimento nos municípios do estado estão em fase de “ação preparatória”.

O ritmo também é lento na entrega das 18 creches e pré-escolas prometidas ao Amapá. Cinco projetos estão “em contratação” e os restantes “em licitação de obra”.

Roraima

Roraima foi contemplada com investimentos em 231 ações. Destas, só 44 foram concluídas, 14 estão “em execução” e 76 “em obras”. Os empreendimentos restantes, que representam 42% do total, ainda não saíram do papel.

No eixo Mobilidade Urbana, têm destaque as obras de implantação de corredores exclusivos para ônibus, pontos de embarque/desembarque e terminais na capital Boa Vista, todas elas ainda em “ação preparatória”. Na mesma situação está a construção de 47 Unidades Básicas de Saúde no estado.

Confira ranking de empreendimentos por estado

Ações regionais

O PAC 2 possui 156 empreendimentos classificados como regionais, por beneficiarem mais de uma unidade da federação. Destes, 24 já foram concluídos, 51 estão em obras, 21 em execução, cinco em operação (área de petróleo e gás) e 55 ainda se encontram no papel.

As ações englobam concessões de rodovias federais, usinas hidrelétricas, como a de São Manoel, no Mato Grosso e no Pará e a construção do Trem de Alta Velocidade Rio/São Paulo/Campinas – as duas últimas ainda em licitação de obra.

Série sobre o PAC 2

Os dados utilizados nesta matéria foram levantados pelo Contas Abertas com base no 9º Balanço do Programa e estão sendo divulgados também pelo site da Veja.com. A intenção é aprofundar o acompanhamento do maior programa de infraestrutura do governo federal.

Confira aqui o infográfico produzido pela Veja.com e pelo Contas Abertas com os dados quantitativos do PAC 2.

 

PrintFriendly and PDF