“Congresso rasga 10 medidas contra corrupção, aparecemos com 100”, afirma Castello Branco

em Corrupção | 06.12.2017

 

O secretário-geral da Contas Abertas, Gil Castello Branco, participou nesta quarta-feira (6) do seminário no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Na oportunidade, o economistas destacou a evolução do controle social no Brasil e destacou a necessidade do combate à corrupção continuar. “O Congresso rasga 10 medidas contra corrupção, nós aparecemos com mais 100”, disse.

Castello Branco mostrou pesquisa que aponta a corrupção como a principal angústia dos brasileiros atualmente, estando na frente de temas como saúde, educação e até mesmo solidariedade entre as pessoas.  

“Mais de 90% da população acredita que é preciso que a sociedade se mobilize para o Brasil mudar. Precisamos estar atentos, pois os movimentos são para enfraquecer a corrupção. Se a sociedade não estiver atentos, os Poderes vão conseguir regredir as ações de combate à corrupção conquistadas até agora”, afirmou.

O economista destacou que é preciso diminuir o tamanho do Estado. “Só o Congresso custa R$ 28 milhões por dia, gabinetes de parlamentares chegam a ter 85 assessores, sem falar nos 60 dias de férias do Judiciário e o pagamento de auxílio-moradia para juízes e promotores”, explicou. Castello Branco também ressaltou que o caminho para um futuro melhor passa, necessariamente, pela ampliação do controle social e uma educação de qualidade.

Na oportunidade, a promotora de Justiça do MPDFT Luciana Ásper afirmou que sozinha a Justiça não vai conseguir acabar com a corrupção no país. “Cada cidadão precisa arregaçar as mangas”, disse. Para Ásper, o enfrentamento à corrupção eficiente depende de uma ação coletiva envolvendo Estado e sociedade em esforços coordenados.

“São coisas pequenas, como burlar a meia entrada, por exemplo, que vão sedimentando uma nação tolerante à corrupção. Se queremos um Estado probo, servidores probos, teremos de ser essas pessoas. São com pequenas mudanças que vamos alcançar grandes mudanças. Chegou a hora de dar a nossa contribuição e formar intencionalmente o cidadão que será intolerante à corrupção”, explicou.

O seminário “Combate à corrupção: a importância da atuação em rede” foi produzido em parceria com a Rede de Controle da Gestão Pública do Distrito Federal. O evento aconteceu em razão do Dia Internacional de Combate à Corrupção, celebrado em 9 de dezembro.